O que procuro em ti, eco ou planície, que não me respondes? Porque devolves apenas a minha voz?

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Portefólio #6

Reparei hoje que desde o final do mês de Maio não acrescento nada à organização do meu portefólio que aqui estava a decorrer – tinha ficado no período que antecedeu a participação no intercâmbio entre o Ar.Co e Nascad, uma escola no Canadá em Halifax, onde estive durante seis meses no ano de 1994. Foi uma experiência enriquecedora em todos os sentidos, as imagens das páginas do diário que lá produzi e aqui tenho colocado comprovam-no. A minha ideia era desenvolver o trabalho de fotografia que estava a fazer por cá, mas com outros meios tecnológicos: e assim foi, deparei-me com uma escola que estava aberta 24h, onde tinha um pequeno espaço para trabalhar e podia fazer fotogramas a cores, nuns laboratórios excelentes, que se requisitavam com alguma antecedência, mas onde existiam técnicos que nos apoiavam. Tive também uma iniciação ao mundo dos computadores, frequentei aulas onde aprendi a funcionar num Machintosh, que me foram muito úteis, apesar de não me ter tornado uma adepta no assunto. Bom, Halifax tem um lado de filme de ficção cientifica na minha biografia, mas também conheci e interagi com pessoas muito interessantes – estudantes, professores da escola e não só, conheci um português nascido no Canadá, casado com uma grega, que tinha um café em frente à escola e com eles fui a uma festa de emigrantes portugueses indescritível: onde assisti a uma banda de Montreal a interpretar a “ Tia Anica do Loulé” em francês autocne; e as minhas colegas logo no início convidaram-me a participar numa exposição colectiva de mulheres na galeria da escola intitulada “ Securing spaces”. A solidariedade feminina, a consciência de que a liberdade de expressão das mulheres é uma conquista recente e que existe muito por fazer nesse sentido, foi algo adquiri por lá. Participei na exposição com um fotograma em cybachrome com 75x160m onde se lia um texto de Rainer Maria Rilke, surpreendentemente feminista datando de 1904, com uma visão optimista em relação ao papel das mulheres no futuro.

2 comentários:

  1. Em NY também assisti a umas festas fabulosas de emigrantes. Foram momentos inesquecíveis :)

    ResponderEliminar