Eco

O que procuro em ti, eco ou planície, que não me respondes? Porque devolves apenas a minha voz?

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Ilustração #5

Ilustração de " O cavaquinho" dos "Contos da Montanha" de Miguel Torga, técnica mista s/ papel, 30x21cm, 1995

Poema #32

Li hoje um poema medido a pulso
dentro de mim. Sede pousada no labirinto
e, no centro, aquele conhecido verso
secreto que amanhece nas açoteias.
Disponível para o sexo e para as cousas d'alma.
Ah li-o, e era um bicho exasperado
por sair à caça
com o sol a dar-lhe no dorso alquímico dos sonhos.
Dum vigésimo andar pode partir-se
com botijas de oxigénio
ou de binóculos. Precário, insubmisso
ao Estado das coisas.
São outros, porém, os cravos
da moderna paixão:
casamentos, relógios de ponto,
habitação própria domesticam
o horizonte, e o horizonte
basta.

Paulo da Costa Domingos, in Campo de Tílias, publicado em sintonia com as Figurações, de Carlos Ferreiro, Frenesi, Janeiro de 1991, s/p.

encontrado aqui

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Poema #31

DUAS ROSAS

No caminho para deus viu-se obrigado
a parar várias vezes.
Vinha do tempo das quimeras.
Partia, a passos rápidos, sem direcção
definida.
De principio não pensou em nada,
Mas a sua situação depressa se lhe mostrou
desagradável e perigosa.
Levava dentro de si a cumplicidade de um
relâmpago, trazia recados de si mesmo
para mais dentro de si próprio.
Todas as suas forças ficaram isoladas
e o tempo tinha o valor físico de um deserto.
Vivia sob lentidão extrema,
não muito longe do que jamais acontecera.
Regressou ao inanimado carácter do seu corpo,
Aos objectos do próprio quarto.

João Miguel Fernandes Jorge


Ilustração #4


Ilustração de " Os homens de Vilarinho" dos "Contos da Montanha" de Miguel Torga, técnica mista s/ papel, 30x21cm, 1995

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Leituras #17

O Pavão

Eu considerei a glória de um pavão ostentando o esplendor de suas cores; é um luxo imperial. Mas andei lendo livros, e descobri que aquelas cores todas não existem na pena do pavão. Não há pigmentos. O que há são minúsculas bolhas d'água em que a luz se fragmenta, como em um prisma. O pavão é um arco-íris de plumas.

Eu considerei que este é o luxo do grande artista, atingir o máximo de matizes com o mínimo de elementos. De água e luz ele faz seu esplendor; seu grande mistério é a simplicidade.

Considerei, por fim, que assim é o amor, oh! minha amada; de tudo que ele suscita e esplende e estremece e delira em mim existem apenas meus olhos recebendo a luz de teu olhar. Ele me cobre de glórias e me faz magnífico.

Rio, novembro, 1958

Rubem Braga in «Ai de ti», Copacabana, Editora do Autor - Rio de Janeiro, 1960, pág. 149

Poema #30

FIEL

Na luz do seu olhar tão lânguido, tão doce,
Havia o que quer que fosse
D’um íntimo desgosto :
Era um cão ordinário, um pobre cão vadio
Que não tinha coleira e não pagava imposto.
Acostumado ao vento e acostumado ao frio,
Percorria de noite os bairros da miséria
À busca dum jantar.


E ao ver surgir da lua a palidez etérea,
O velho cão uivava uma canção funérea,
Triste como a tristeza ossiânica do mar.
Quando a chuva era grande e o frio inclemente,
Ele ia-se abrigar às vezes nos portais ;
E mandando-o partir, partia humildemente,
Com a resignação nos olhos virginais.
Era tranquilo e bom como as pombinhas mansas ;
Nunca ladrou dum pobre à capa esfarrapada :
E, como não mordia as tímidas crianças,
As crianças então corriam-no a pedrada.


Uma vez casualmente, um mísero pintor
Um boémio, um sonhador,
Encontrara na rua o solitário cão ;
O artista era uma alma heróica e desgraçada,
Vivendo numa escura e pobre água furtada,
Onde sobrava o génio e onde faltava o pão.
Era desses que têm o rubro amor da glória,
O grande amor fatal,
Que umas vezes conduz às pompas da vitória,
E que outras vezes leva ao quarto do hospital.


E ao ver por sobre o lodo o magro cão plebeu,
Disse-lhe : - "O teu destino é quase igual ao meu :
Eu sou como tu és, um proletário roto,
Sem família, sem mãe, sem casa, sem abrigo ;
E quem sabe se em ti, ó velho cão de esgoto,
Eu não irei achar o meu primeiro amigo !..."


No céu azul brilhava a lua etérea e calma ;
E do rafeiro vil no misterioso olhar
Via-se o desespero e ânsia d’uma alma,
Que está encarcerada, e sem poder falar.
O artista soube ler naquele olhar em brasa
A eloquente mudez dum grande coração ;
E disse-lhe : - "Fiel, partamos para casa :
Tu és o meu amigo, e eu sou o teu irmão. -"


E viveram depois assim por longos anos,
Companheiros leais, heróicos puritanos,
Dividindo igualmente as privações e as dores.
Quando o artista infeliz, exausto e miserável,
Sentia esmorecer o génio inquebrantável
Dos fortes lutadores ;
Quando até lhe acudiu às vezes a lembrança
Partir com uma bala a derradeira esp’rança,
Pôr um ponto final no seu destino atroz ;
Nesse instante do cão os olhos bons, serenos,
Murmura-lhe : - Eu sofro, e a gente sofre menos,
Quando se vê sofrer também alguém por nós.


Mas um dia a Fortuna, a deusa milionária,
Entrou-lhe pelo quarto, e disse alegremente :
"Um génio como tu, vivendo como um pária,
Agrilhoado da fome à lúgubre corrente !
Eu devia fazer-te há muito esta surpresa,
Eu devia ter vindo aqui p’ra te buscar ;
Mas moravas tão alto ! E digo-o com franqueza
Custava-me subir até ao sexto andar.
Acompanha-me ; a glória há de ajoelhar-te aos pés !..."
E foi ; e ao outro dia as bocas das Frinés
Abriram para ele um riso encantador ;
A glória deslumbrante iluminou-lhe a vida
Como bela alvorada esplêndida, nascida
A toques de clarim e a rufos de tambor !


Era feliz. O cão
Dormia na alcatifa à borda do seu leito,
E logo de manhã vinha beijar-lhe a mão,
Ganindo com um ar alegre e satisfeito.
Mas aí ! O dono ingrato, o ingrato companheiro,
Mergulhado em paixões, em gozos, em delícias,
Já pouco tolerava as festivas carícias
Do seu leal rafeiro.


Passou-se mais um tempo ; o cão, o desgraçado,
Já velho e no abandono,
Muitas vezes se viu batido e castigado
Pela simples razão de acompanhar seu dono.
Como andava nojento e lhe caíra o pelo,
Por fim o dono até sentia nojo ao vê-lo,
E mandava fechar-lhe a porta do salão.
Meteram-no depois num frio quarto escuro,
E davam-lhe a jantar um osso branco e duro,
Cuja carne servira aos dentes d’outro cão.


E ele era como um roto, ignóbil assassino,
Condenado à enxovia, aos ferros, às galés :
Se se punha a ganir, chorando o seu destino,
Os criados brutais davam-lhe pontapés.
Corroera-lhe o corpo a negra lepra infame.
Quando exibia ao sol as podridões obscenas,
Poisava-lhe no dorso o causticante enxame
Das moscas das gangrenas.


Até que um dia, enfim, sentindo-se morrer,
Disse "Não morrerei ainda sem o ver ;
A seus pés quero dar meu último gemido..."
Meteu-se-lhe no quarto, assim como um bandido.
E o artista ao entrar viu o rafeiro imundo,
E bradou com violência :
"Ainda por aqui o sórdido animal !
É preciso acabar com tanta impertinência,
Que esta besta está podre, e vai cheirando mal !"
E, pousando-lhe a mão cariciosamente,
Disse-lhe com um ar de muito bom amigo :
"Ó meu pobre Fiel, tão velho e tão doente,
Ainda que te custe anda daí comigo."


E partiram os dois. Tudo estava deserto.
A noite era sombria ; o cais ficava perto ;
E o velho condenado, o pobre lazarento,
Cheio de imensas mágoas
Sentiu junto de si um pressentimento
O fundo soluçar monótono das águas.


Compreendeu enfim! Tinha chegado à beira
Da corrente. E o pintor,
Agarrando uma pedra atou-lh’a na coleira,
Friamente cantando uma canção d’amor.


E o rafeiro sublime, impassível, sereno,
Lançava o grande olhar às negras trevas mudas
Com aquela amargura ideal do Nazareno

Recebendo na face o ósculo de Judas.
Dizia para si : "É o mesmo, pouco importa.
Cumprir o seu desejo é esse o meu dever :
Foi ele que me abriu um dia a sua porta :
Morrerei, se lhe dou com isso algum prazer."


Depois, subitamente
O artista arremessou o cão na água fria.
E ao dar-lhe o pontapé caiu-lhe na corrente
O gorro que trazia
Era uma saudosa, adorada lembrança
Outrora concedida
Pela mais caprichosa e mais gentil criança,
Que amara, como se ama uma só vez na vida.


E ao recolher à casa ele exclamava irado :
"E por causa do cão perdi o meu tesouro !
Andava bem melhor se o tinha envenenado !
Maldito seja o cão! Dava montanhas d’oiro,
Dava a riqueza, a glória, a existência, o futuro,
Para tornar a ver o precioso objecto,
Doce recordação daquele amor tão puro."
E deitou-se nervoso, alucinado, inquieto.
Não podia dormir.
Até nascer da manhã o vivido clarão,
Sentiu bater à porta ! Ergueu-se e foi abrir.
Recuou cheio de espanto : era o Fiel, o cão,
Que voltava arquejante, exânime, encharcado,
A tremer e a uivar no último estertor,
Caindo-lhe da boca, ao tombar fulminado,
O gorro do pintor !

Guerra Junqueiro

encontrado aqui

domingo, 27 de setembro de 2009

Dia-a-dia #21

Hoje, dia de eleições, o coro de câmara onde canto não podia ensaiar na reitoria da Universidade de Lisboa e íamos para um espaço que o assistente do maestro tinha arranjado - mas aconteceu um imprevisto, deram-lhe as chaves erradas da porta. Depois de cerca de vinte minutos, onde se pensou em várias soluções, eu sugeri que viessem ensaiar na minha casa, era a mais próxima e não estava lá ninguém. Chegamos cá e estava com receio da reacção da gata Lua: mas correu tudo bem, fizemos o aquecimento vocal, éramos cerca de 15 pessoas na sala, tive de abrir as janelas por causa do calor do fim de tarde. A Lua limitou-se a cheirar os pés do assistente de maestro, que estava de sandálias, enquanto ele nos dirigia, de resto ficou calma. Depois separámos-nos por naipes: na sala ficaram os masculinos a ensaiar, no quarto os femininos. A Lua preferiu ficar na sala com os homens e no intervalo disseram-me que ela esteve calma a ouvir, junto aos tenores. Entretanto, o meu vizinho estava em grande festa com Julio Iglesias a tocar na aparelhagem de vinil rua fora, quando nos reunimos para ensaiar todos na sala, estava a ser hilariante, tínhamos sempre aquilo como pano de fundo - eu estou habituada, mas o pessoal achou estranho. Mas lindo foi a Lua que se deitou no chão, entre o centro da roda que formamos para cantar e o maestro, que estava a acompanhar-nos num teclado, ela estava mesmo a curtir ouvir-nos a ensaiar de tal modo que se virou de barriga para o ar, com as patas juntinhas ao peito e ficou assim nesta posição pouco formal a olhar fixamente o maestro, gerando um ataque de riso geral que o ensaio teve de ser interrompido.

Ilustração #3

Ilustração de " Amor" dos "Contos da Montanha" de Miguel Torga, técnica mista s/ papel, 30x21cm, 1995

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Ilustração #2

Ilustração de " Um roubo" dos "Contos da Montanha" de Miguel Torga, técnica mista s/ papel, 30x21cm, 1995

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Ilustração #1

Ilustração do conto " A Maria Lionça" - "Contos da Montanha" de Miguel Torga, técnica mista s/ papel, 30x21cm, 1995

Portefólio #9


Em Janeiro de 1995 retornei às Belas-Artes a tempo inteiro, para estudar escultura: já tinha faltado a 3 meses do ano lectivo por causa da estadia no Canadá. Foi tudo muito surrealista, como se tivesse vindo de um filme de ficção científica para a idade da pedra lascada; no Canadá a escola estava aberta 24h, tinha atelier próprio, ampliadores, câmara-escura para trabalhar à vontade e professores que acompanhavam o meu projecto. Nas Belas-Artes, as oficinas de escultura eram nas caves, chovia lá dentro, os professores ditavam exercícios, exigiam uma enorme quantidade de trabalho, mas eram poucos os que se davam ao trabalho de ensinar. O ano correu bastante mal: por exemplo, tive de modelar o retrato de um colega na cadeira de “modelos”, o professor era o autor da escultura do Sá-Carneiro no Areeiro, Mestre Soares Branco, ou Bronco como era conhecido já desde a década de 50 do séc. XX. Foi complicado, ele pedia-nos para trabalharmos a partir de fotografias, quando os colegas estavam ali ao nosso lado, mas depois despachava tudo com grandes notas. Fiz o retrato que aqui está e depois diverti-me um bocado, mas não o apresentei assim de língua de fora na avaliação. Tínhamos avaliações trimestrais nas cadeiras práticas, era coisa pública onde estávamos sujeitos às variações de humores dos professores. Nas aulas, normalmente, éramos salvos por alguns assistentes novos que nos davam apoio. Nas cadeiras teóricas era diferente, no geral os professores eram bons, as aulas eram no 1º andar do edifício e aí a vida corria-me melhor. Quanto à escultura, nesse ano tentei executar umas peças em polyurterano expandido que encolheram de um dia para o outro. Nunca entendi o que aconteceu e fui penalizada por isso, sentia-me dentro de um livro de Kafka. No entanto, nem tudo foi mau: na cadeira de desenho ilustrei os “ Contos da Montanha” de Miguel Torga, vou colocá-los por cá num espaço novo dedicado à ilustração; mas a avaliação final de desenho também foi um horror: apareceu uma múmia de nome Matos Simões, que eu nunca tinha visto na vida, nem me deu aulas e que desatou aos berros, porque não gostou do modo como os desenhos estavam apresentados. Depois contaram-me que era vulgar ele ter esse tipo de ataques com mulheres. Lembro-me de desabafar com uma professora assistente de escultura, uma boa alma que por lá andava e de ela me contar que a democracia tinha mudado muito o nosso país, até as Belas-Artes, porque antigamente os professores mandavam as alunas para casa cozer meias. Nas Belas apanhei zombies desse tipo, tive muito azar com eles. Um colega dizia que derivava de eu me rir, é verdade, quando fico nervosa me vez de chorar dá-me para rir. Espero que esses zombies já estejam todos mortos.


Aprende-se com os gatos #5




A versão adulta do post anterior, " Duetto Buffo di due gatti" de Rossini interpretado pela soprano Felicity Lott e a mezzo-soprano Ann Murray no Royal Albert Hall em Londres.

No sitemeter #9

Eco
By Referrals > Visit Detail
Visit 5,167
[<<] [>>]
Domain Name vodafone.pt ? (Portugal)
IP Address 77.54.14.# (GPRS Pools)
ISP Vodafone Telecel, Comunicacoes Pessoais, SA
Location
Continent : Europe
Country : Portugal (Facts)
State/Region : Santarem
City : Poceiro
Lat/Long : 38.8333, -8.7833 (Map)
Distance : 25 miles (local visitor)
Language Portuguese
pt
Operating System Microsoft WinXP
Browser Internet Explorer 7.0
Mozilla/4.0 (compatible; MSIE 7.0; Windows NT 5.1; .NET CLR 1.1.4322; .NET CLR 2.0.50727; .NET CLR 3.0.4506.2152; .NET CLR 3.5.30729)
Javascript version 1.3
Monitor
Resolution : 1280 x 800
Color Depth : 32 bits
Time of Visit Sep 23 2009 9:28:53 pm
Last Page View Sep 23 2009 9:28:53 pm
Visit Length 0 seconds
Page Views 1
Referring URLhttp://www.google.pt... escuta activa&meta=
Search Enginegoogle.pt
Search Wordstextos engraçados dubios escuta activa
Visit Entry Page http://umacasanotemp...9_03_01_archive.html
Visit Exit Page http://umacasanotemp...9_03_01_archive.html
Out Click
Time Zone UTC+0:00
Visitor's Time Sep 23 2009 10:28:53 pm
Visit Number 5,167

Alguém chegou a esta casa no tempo procurando textos engraçados dúbios escuta activa e encontrou eco

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Aprende-se com os gatos #4





Gioachino António Rossini (1792-1868), célebre compositor de óperas como “ O barbeiro de sevilha" é o autor desta magnifica peça intitulada "Duetto Buffo di Due Gatti", composta inicialmente para duas sopranos, mas aqui maravilhosamente interpretada por estes rapazes – no Youtube também podem visionar uma versão interpretada por Montserrat Caballé e Concha Velasco.

Artes #6



Não percam as 7 ARTES apresentadas por Bruno Aleixo e o Busto aqui


Poema #29

DA LITERADURA

Os literaduros Os literadonos
Com berros e murros se levam os tolos

Que vento os enfuna Ninguém lhes resiste
Ó literadunas Ó literadiques

Vão tendo alianças entrando em conluios
Com literadamas com literadúbios

Cada vez mais sábios cada vez mais finos
Literadurázios Literadurinhos

Tão literadoces literadurázios
Já parecem outros em seus ricos pátios

Tão literadoutos literadurinhos
Coitados de todos literadormindo

David Mourão-Ferreira


No sitemeter #8

Eco
By Referrals > Visit Detail
Visit 5,091
[<<] [>>]
Domain Name (Unknown)
IP Address 187.77.215.# (Unknown Organization)
ISP Unknown ISP
Location
Continent : Unknown
Country : Unknown
Lat/Long : unknown
Language Portuguese (Brazil)
pt-br
Operating System Microsoft WinXP
Browser Internet Explorer 6.0
Mozilla/4.0 (compatible; MSIE 6.0; Windows NT 5.1; SV1; MEGAUPLOAD 3.0; OfficeLiveConnector.1.3; OfficeLivePatch.0.0)
Javascript version 1.3
Monitor
Resolution : 1280 x 600
Color Depth : 32 bits
Time of Visit Sep 20 2009 12:04:42 am
Last Page View Sep 20 2009 12:04:42 am
Visit Length 0 seconds
Page Views 1
Referring URLhttp://www.google.co... hora&meta=&aq=f&oq=
Search Enginegoogle.com.br
Search Wordsdentro dos despedaçados instantes de nenhuma hora
Visit Entry Page http://umacasanotemp...9_07_01_archive.html
Visit Exit Page http://umacasanotemp...9_07_01_archive.html
Out Click
Time Zone UTC-4:00
Visitor's Time Sep 19 2009 9:04:42 pm
Visit Number 5,091
Alguém chegou a esta casa no tempo procurando dentro dos despedaçados instantes de nenhuma hora e encontrou eco

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Aprende-se com os gatos #3




Nora foi solista num concerto especial.


Poema #28

BALADA DO PAÍS QUE DÓI

O barco vai
o barco vem

português vai
português vem

o corpo cai
o corpo dói

português vai
português cai

o barco vai
o barco vem

português vai
português vem

o país cai
o país dói

o tempo vai
o tempo dói

português cai
português vai
português sai
português dói

Ana Hatherly


segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Poema #27

A CONCHA

A minha casa é concha.
Como os bicos
Segreguei-a de mim com paciência:
Fachada de marés, a sonho e lixos,
O horto e os muros só areia e ausência.

Minha casa sou eu e os meus caprichos.
O orgulho carregado de inocência
Se às vezes dá uma varanda, vence-a
O sal que os santos esboroou nos nichos.

E telhados de vidro, e escadarias
Frágeis, cobertas de hera, oh bronze falso!
Lareira aberta ao vento, as salas frias.

A minha casa…Mas é outra a história:
Sou eu ao vento e à chuva, aqui descalço,
Sentado numa pedra de memória.

Vitorino Nemésio

sábado, 19 de setembro de 2009

Dia-a-dia #20

Consegui entregar ontem a minha candidatura a doutoramento nas Belas-Artes; a proposta foi escrita com a mão esquerda devido à tendinite que tenho no braço direito. O direito agora está melhor , já consigo mexer no rato do computador com cuidado, porque ainda tenho dores. Se me aceitarem por lá, acho que começou de um modo muito estranho :))))))) Entretante, falei com um amigo que também se candidatou e quer fazer uma tese sobre o vampirismo no séc.XIX, conto-me que levou com caca de pombo por duas vezes a caminho da Belas-Artes - a merda vinda do céu dizem que dá sorte, pessoalmente, acho que o que aconteceu nada tem a ver com vampirismo.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Dia-a-dia #19

Entre o trabalho, uma tendinite no braço direito e escrever uma proposta de doutoramento com a mão esquerda, não tem sido possível postar por cá. Prometo voltar assim que for possível.

domingo, 6 de setembro de 2009

No sitemeter #7

Eco
By Exit Pages > Visit Detail
Visit 4,838
[<<] [>>]
Domain Name brasiltelecom.net.br ? (Brazil)
IP Address 200.140.0.# (Brasil Telecom S/A - Filial Distrito Federal)
ISP Brasil Telecom S/A - Filial Distrito Federal
Location
Continent : South America
Country : Brazil (Facts)
State/Region : Goias
City : Formosa
Lat/Long : -15.5333, -47.3333 (Map)
Distance : 4,513 miles
Language Portuguese (Brazil)
pt-br
Operating System Macintosh WinXP
Browser Safari 1.3
Mozilla/5.0 (Windows; U; Windows NT 5.1; en-US) AppleWebKit/530.5 (KHTML, like Gecko) Chrome/2.0.172.43 Safari/530.5
Javascript version 1.5
Monitor
Resolution : 1024 x 768
Color Depth : 32 bits
Time of Visit Sep 6 2009 2:40:53 am
Last Page View Sep 6 2009 2:40:53 am
Visit Length 0 seconds
Page Views 1
Referring URLhttp://www.google.co...btnG=Pesquisar&meta=
Search Enginegoogle.com.br
Search Wordspoesia com eco
Visit Entry Page http://umacasanotemp...009/08/poema-25.html
Visit Exit Page http://umacasanotemp...009/08/poema-25.html
Out Click
Time Zone UTC-4:00
Visitor's Time Sep 5 2009 11:40:53 pm
Visit Number 4,838

Alguém veio parar a esta casa no tempo procurando poesia com eco e encontrou este poema.


sábado, 5 de setembro de 2009

Dia-a-dia #17

O vizinho do prédio em frente acordou-me hoje com o som do Elvis Presley aos berros na sua aparelhagem de vinil: vá lá que não acompanhava o rei do rock com o seu som grave e desalinhado.
A rua tem outro colorido assim, mas a assombração que costumo ver na janela da esquerda ainda não surgiu: não é uma alma do outro mundo, é a mãe dele que fica enquadrada na janela, com os seus óculos de sol dos anos 70 e que entre outras coisas, lava os dentes ( ou placa) à janela e cospe a água lá para baixo - trata-se de um segundo andar de um prédio dos anos 30. Recentemente descobri o seu nome, através da neta da vizinha do segundo andar: chama-se D. Bebé, um excelente título para ficcionar. O problema é que a realidade está sempre à frente da ficção e esta entra-me pela minha janela à mais de 20 anos.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Poema #26

TELEMÓVEL

Olá amor… não não disse estupor!
Passou bem a sua tarde?
Não disse que chegaste tarde.
Vou jogar ténis, mas estarei aí
a tempo de vermos juntinhos
a telenovela!
Não queres ser cindarela?
Oh filha por amor de deus!
Não pronuncio o nome de Deus
em quê? Cabrão?
Cabrão era o filho da puta
do teu pai. Ouviste?

Em vão.

Jorge Aguiar Oliveira in “Homens sem soutien”, Edição de autor, Lisboa 2002


No sitemeter #6

Eco
By Referrals > Visit Detail
Visit 4,729
[<<] [>>]
Domain Name (Unknown)
IP Address 189.83.56.# (Unknown Organization)
ISP Unknown ISP
Location
Continent : South America
Country : Brazil (Facts)
Lat/Long : -10, -55 (Map)
Distance : 4,496 miles
Language Portuguese (Brazil)
pt-br
Operating System Microsoft WinXP
Browser Internet Explorer 8.0
Mozilla/4.0 (compatible; MSIE 8.0; Windows NT 5.1; Trident/4.0; GTB6; .NET CLR 1.1.4322; .NET CLR 2.0.50727; .NET CLR 3.0.4506.2152)
Javascript version 1.3
Monitor
Resolution : 1024 x 768
Color Depth : 32 bits
Time of Visit Aug 31 2009 12:23:49 pm
Last Page View Aug 31 2009 12:23:49 pm
Visit Length 0 seconds
Page Views 1
Referring URLhttp://www.google.co...a de madeira&spell=1
Search Enginegoogle.com.br
Search Wordsarrumar casa de madeira
Visit Entry Page http://umacasanotemp...03/arrumar-casa.html
Visit Exit Page http://umacasanotemp...03/arrumar-casa.html
Out Click
Time Zone UTC-4:00
Visitor's Time Aug 31 2009 9:23:49 am
Visit Number 4,729
Alguém veio aqui parar procurando arrumar casa de madeira e encontrou eco.