O que procuro em ti, eco ou planície, que não me respondes? Porque devolves apenas a minha voz?

segunda-feira, 28 de abril de 2014

Dia-a-dia #216

Não estava bem a entender as intenções da gata Lua em relação ao cravo vermelho, que me ofereceram no dia 25, porque só andava a morder o caule. Entretanto, conseguiu derrubar a jarra onde ele habitava, que se estatelou no chão. O cravo sobreviveu, afinal ela não gostava era da jarra em forma de estrela azul.

domingo, 27 de abril de 2014

Dia-a-dia #215





LIBERTAD = memórias de infância em terras de Espanha

Dia-a-dia #214

Apanhei a gata Lua a morder o único cravo que me ofereceram nos 40 anos do 25 de Abril. Definitivamente, é uma gata iconoclasta.

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Dia-a-dia# 213




Este retrato é de 1974. Quando conheço um compatriota que nasceu depois do 25 de Abril costumo dizer: tens a sorte de ser filho da liberdade. Eu sou de uma geração de transição, que viveu e assistiu a muitas transformações sociais neste país e no mundo. Porque ser português é ser do mundo também. O meu primeiro partido foi o da pata da galinha. O meu irmão arranjou-me depois um cartaz do MDP-CDE, que um primo rasgou. Só mais tarde percebi que a pata da galinha era o símbolo dos pacifistas. Também só nesta altura é que tive partido, porque não me dei bem com essas coisas, nem com os padres e nunca me interessei por clubes de futebol ou outros clubes. Passaram 40 anos, o presente está agreste desde que começou a crise, sobretudo porque sinto que o futuro, agora e mais do que nunca é uma incógnita. Mas se calhar o meu rumo foi traçado quando escolhi o partido da pata da galinha: o pacifismo. Viver em estado contemplativo tem sido importante. Nunca perdi a curiosidade de ver e conhecer o mundo.

Natureza-Morta Social #96


domingo, 20 de abril de 2014

Dia-a-dia #211

Que sorte, cheguei a Lisboa antes de estar tudo histérico com o futebol ou benfica ou rapazes atrás de uma bola que podiam ter outros cortes de cabelo, ou seja lá o que aconteceu!

terça-feira, 15 de abril de 2014

Natureza-Morta Social #95


Dia-a-dia #210

Aconteceu já alguns anos: tive o azar de apanhar um táxi e era Abril, tal como agora. Entrei e lá dentro o homem máquina já tinha uma certa idade, estava de poucas falas e ouvia a rádio renascença. Nisto passamos por um edifício que tinha a bandeira do arco-íris à porta e começou a cassete: a menina sabe que bandeira é aquela? Fiz-me de parva. O homem máquina desatou aos berros: aquilo é a bandeira dos degenerados, o Salazar é que fazia bem, mandava-os matar a todos! Na rádio orações. Mandei-o parar, paguei, saí e desejei-lhe uma santa Páscoa.

sexta-feira, 4 de abril de 2014

terça-feira, 1 de abril de 2014

Dia-a-dia #209

Óculos novos comprados na farmácia, a médica do Hospital Sta Maria disse que não precisava de fazer novos, é muito mais barato. Vejo pior ao perto o que é normal, mas esta coisa de desfocar e ficar com um olho virado para a merda e outro para o infinito afinal é ao longe e cansa imenso. Anda tudo ao contrário com os meus olhos, e isto de desfocar é um massacre. Mas vou voltar a fazer fisioterapia para me defender, agora em Sta Maria. Não é peta, com os óculos novos mesmo assim está tudo muito nítido.