Eco

O que procuro em ti, eco ou planície, que não me respondes? Porque devolves apenas a minha voz?

sexta-feira, 28 de março de 2014

quinta-feira, 27 de março de 2014

domingo, 23 de março de 2014

Dia-a-Dia #208


 
O 2ºFestival Mal Dito está de parabéns: estive em Coimbra dia 21 e 22, os eventos foram belíssimos e bem organizados. Tudo começou no ano passado com o pequeno grupo de amigos que se juntou em torno da poesia e organizaram o Festival em tempo record, sem apoios institucionais. Este ano manteve-se o espírito, onde a partilha é central e mais uma vez houve público em todos os eventos a que assisti: lançamentos de livros, apresentações e leituras em vários sítios da cidade. Destaco ontem o salão Brasil cheio para o debate com o mote " A música, antes de qualquer coisa", que juntou Adolfo Luxúria Canibal , Bruno Béu e Francisco Amaral em torno da relação entre poesia e música,  moderado pelo professor Osvaldo Silvestre. Um dos mais  belos momento do festival foi dia 21, no café Sta Cruz à noite: Isaque Ferreira não leu apenas, ele respirou, viveu e encarnou POESIA. Momento inesquecível foi sem dúvida também dia 21, na Livraria Miguel de Carvalho, o lançamento de "Ranço" de Jorge Aguiar Oliveira, publicado pela Companhia das Ilhas: o autor referiu que a sua poesia é autobiográfica e não tem rodriguinhos. E leu o poema "O inútil pirilau de Vanetti Greta" em homenagem a um travesti que trabalhou na associação Abraço, onde o conheceu pessoalmente. O poema foi escrito após saber da sua morte com SIDA. A leitura do autor cortou-me a respiração ou deixou-me sem palavras.

segunda-feira, 17 de março de 2014

Natureza-Morta Social #91


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  
O conceito “natureza-morta” existe nas línguas latinas, enquanto nas línguas germânicas e anglo-saxónica, “still-life” se relaciona com vida: a origem de “still” é “stend” que significa estar parado. O poeta Daniel Falb confessou-me recentemente que ao utilizar o conceito “social still-life” na sua poesia, relacionava-se com o facto de não querer escrever poesia narrativa, mas procurar escrever “atemporais naturezas-mortas”, que na sua língua remetem mais para instante vivo. A meu ver, a interpretação que desenvolvi em torno do tema resultou em imagens que se aproximam mais do sentido “ainda vivo social”, porque derivam sobretudo de uma reflexão sobre elementos díspares da actualidade, onde questiono a tradição da cultura erudita ocidental, ao desconstruir o género “natureza-morta” através da colagem e da pintura, confrontando-a com outros elementos de proveniências várias, num processo de metaforização, para interpelar o mundo onde habitamos e questionar o que somos enquanto espécie humana.

 

terça-feira, 11 de março de 2014

Dia-a-Dia #207

Quando o sol atravessa um copo de vinho branco, a sombra reflete-se transparente e luminosa. O branco é a luz do vinho ou o vinho diurno. Conheço brancos secos e florais, de uma juvenil alegria inesperada, mas só os aprecio muito frescos em pleno verão. Os brancos frutados quando são muito bons também refrescam. Dispenso todos os brancos ácidos, nunca tive estômago para o assunto. Aprecio sim a profundidade de uma colheita tardia, com o travo das uvas colhidas quase em passa ou vinho doce do gelo. Numa tarde de verão provei um fresco rosé, com a alegria dum refresco e só depois lhe senti a graduação tinta. Não confio em rosés, também podem ter sombras transparentes e luminosas, mas em corpos crepusculares.

segunda-feira, 10 de março de 2014

Poema #121


terça-feira, 4 de março de 2014

Dia-a-Dia #206


 
 
As “Vanitas” surgiram como tema do género “natureza-morta” na Europa do Norte e Países Baixos nos séculos XVI e XVII. A palavra em latim significa “vacuidade, futilidade”, sendo utilizada como sinónimo de vaidade; são pinturas que se referem à insignificância da vida terrena e ao carácter efémero da vaidade. As “Vanitas” são compostas geralmente por caveiras que representam a morte, associadas a outros elementos presentes nas “naturezas-mortas”, como instrumentos musicais, frutas, flores e borboletas, simbolizando a natureza efémera da vida. Por vezes também surgem representadas frutas apodrecidas simbolizando a decadência, relógios e ampulhetas representando a brevidade da vida ou um limão descascado que como a vida, pode ser atrativo a quem olha, mas amargo para quem experimenta. Pintura de Pieter Claesz (1590 - 1661) – “Vanitas com violino e bola de vidro”. Germanisches Nationalmuseum, Nuremberg.

segunda-feira, 3 de março de 2014

Dia-a-dia #205


A “natureza-morta” é um género que surgiu com a invenção da pintura a óleo no século XV. Na idade média não aparecia ainda como género autónomo, apesar de nos manuscritos medievais góticos, surgirem representações de “naturezas-mortas”. O conceito “natureza-morta” existe nas línguas latinas, em quanto nas línguas germânicas e anglo-saxónica, “still-life” se relaciona com vida: a origem de “still” é “stend” que significa estar parado. Em Espanha foi também utilizado o termo “Bodegó” nas representações de alimentos, que vem do espanhol “bodegon”, que significa taberna. “Cesto de Frutas” (1595-96) de Caravaggio foi a primeira pintura autónoma do género “natureza-morta”: trata-se de um “tromp’oil” representando um cesto de frutas, como as que surgiram na época, onde esta técnica é utilizada para criar uma transição entre o espaço do quadro e o observador. Durante o barroco, este género representou objectos preciosos, loiças, frutas descascadas, com o instantâneo, onde uma situação ganha uma dimensão infinita através da pintura. Na Europa do Norte do século XVII, o género desenvolveu-se representando a abundância, apesar de no geral ser visto como menor pelas academias oficiais: surgiram as “naturezas com mesa posta”, representações associadas à situação social da classe média, que estava ligada ao comércio e era mais rica que nos países latinos. Muitas “naturezas-mortas” tinham um sentido moral acentuado, usando as representações dos frutos e flores em termos simbólicos, e os insectos apelando à efemeridade humana. A representação de casulos, lagartas e borboletas simbolizavam o ciclo de vida e de morte. Tema também frequente nas “naturezas-mortas” são as “Vanitas”, que se referem à vaidade, tratando-se de representações onde contrasta o corporal e o espiritual, representações com a presença de uma caveira e outros objectos presentes nas “naturezas-mortas”.