Eco

O que procuro em ti, eco ou planície, que não me respondes? Porque devolves apenas a minha voz?

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Dia-a-dia #92


Hoje às 10h da manhã o meu vizinho ouvia esta música aos berros na aparelhagem de vinil; depois mudou para o Elvis, uma alegria!

sábado, 27 de novembro de 2010

Poema #64

Ocorre-me falar do tempo,
Das consequências dos fenómenos
Extremos e de como tudo muda.

Já não espero pelas limitações dos
Dedos nem pela definição das cir-
Cunstâncias que consomem as acções

E tento respirar a noite que chega.
É fraco o passo a que me atrevo na rua
Quando pressinto a distância que me separa

De todos quantos um dia acompanhei.
Deixo na memória a segurança da fala,
Convertendo em monólogo o que sei

Da luz solar que me iluminou enquanto
Caminhava. Não rejeito a dor nem quero
Sujeitar-me ao ordenamento que anula

Todo o cansaço ou vestígios da tristeza.
Sou da distância que busco. Cumpro as regras
A que obedece a minha liberdade.

Rui Almeida, “ Lábio Cortado”. Torres Vedras: Livro do Dia, 2009. P-45

Sitemeter #61

Eco
By Referrals > Visit Detail
Visit 11,500
[<<] [>>]
Domain Name (Unknown)
IP Address 189.75.157.# (Unknown Organization)
ISP Unknown ISP
Location
Continent : South America
Country : Brazil (Facts)
Lat/Long : -10, -55 (Map)
Distance : 4,496 miles
Language Portuguese (Brazil)
pt-br
Operating System Microsoft WinXP
Browser Firefox
Mozilla/5.0 (Windows; U; Windows NT 5.1; pt-BR; rv:1.9.2.12) Gecko/20101026 Firefox/3.6.12 (.NET CLR 3.5.30729)
Javascript version 1.5
Monitor
Resolution : 800 x 600
Color Depth : 24 bits
Time of Visit Nov 27 2010 2:48:01 pm
Last Page View Nov 27 2010 2:48:01 pm
Visit Length 0 seconds
Page Views 1
Referring URLhttp://br.search.yah...car&submit-go=Buscar
Search Enginebr.search.yahoo.com
Search Wordso'que é instalação artistica
Visit Entry Page http://umacasanotemp...9_11_01_archive.html
Visit Exit Page http://umacasanotemp...9_11_01_archive.html
Out Click
Time Zone UTC-2:00
Visitor's Time Nov 27 2010 1:48:01 pm
Visit Number 11,500
Alguém chegou a esta casa no tempo procurando o que é instalação artística e encontrou isto.

sábado, 20 de novembro de 2010

Dia-a-dia #91

Contou-me a minha irmã que quando era criança eu chorava se via o Calimero na televisão e chorava se não me deixavam ver, não me lembro de nada, mas já era tonta.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Sitemeter #60

Eco
By Referrals > Visit Detail
Visit 11,422
[<<] [>>]
Domain Name (Unknown)
IP Address 89.214.18.# (GPRS Costumers)
ISP TMN - Telecomunicacoes Moveis Nacionais SA
Location
Continent : Europe
Country : Portugal (Facts)
State/Region : Lisboa
City : Milharado
Lat/Long : 38.95, -9.2 (Map)
Distance : 17 miles (local visitor)
Language Portuguese
pt
Operating System Microsoft WinNT
Browser Internet Explorer 8.0
Mozilla/4.0 (compatible; MSIE 8.0; Windows NT 6.0; Trident/4.0; GTB6.5; SLCC1; .NET CLR 2.0.50727; Media Center PC 5.0; eSobiSubscriber 2.0.4.16; .NET CLR 3.5.30729; .NET CLR 3.0.30729; InfoPath.2; Seekmo 11.0.96.0)
Javascript version 1.3
Monitor
Resolution : 1366 x 768
Color Depth : 32 bits
Time of Visit Nov 19 2010 4:12:15 pm
Last Page View Nov 19 2010 4:12:15 pm
Visit Length 0 seconds
Page Views 1
Referring URLhttp://pesquisa.sapo...20sigilosas&st=local
Search Enginepesquisa.sapo.pt
Search Wordsfodas sigilosas
Visit Entry Page http://umacasanotemp...9_06_01_archive.html
Visit Exit Page http://umacasanotemp...9_06_01_archive.html
Out Click
Time Zone UTC-1:00
Visitor's Time Nov 19 2010 4:12:15 pm
Visit Number 11,422

Alguém chegou a esta casa no tempo procurando fodas sigilosas e encontrou isto

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Concerto do Coro de Câmara da Universidade de Lisboa





Sábado, dia 20 de Novembro às 21h30 o Coro de Câmara da Universidade de Lisboa vai actuar na Igreja de S. Roque , dirigido por Luís Almeida. O concerto intitula-se "O despontar do Barroco" e serão interpretadas obras de João Lourenço Rebelo, compositor português do século XVII, peças para vários coros e instrumentos da época. Como se trata do Festival de S. Roque, a entrada é 6 Euros ( bilhetes à venda na entrada 1h antes do espectáculo)


quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Dia-a-dia #90

Ia a caminho de casa, por volta da hora do almoço, com as compras do supermercado na mão e deixei-me levar pelos raios de sol na esplanada; não resisti à luz outonal dos plátanos e sentei-me para beber um café e descansar do peso dos sacos. Reparei então num casal sentado na mesa ao lado, ele tem um ar discreto e ela atende o telemóvel de um modo empreendedor. Oiço a sua voz:
- Abuso sexual de menor pelo padrasto, que idade tem?
Olho discretamente, ela retira o telemóvel e faz uma nova chamada:
- Quem está aí agora? Saíram todos para almoçar?
Ela relata pormenores do que se passa, desligando depois o telemóvel enquanto o seu companheiro discreto trata da conta. Quando se levantam, ela comenta:
- Estes casos só aparecem na primavera, mas este ano tudo está a acontecer antes da primavera.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Leituras #27


" -Toda esta gente tem casas de banho de azulejos brancos e fazem grandes cagadas como ursos das montanhas, mas é tudo drenado para esgotos rigorosamente assépticos e ninguém nunca mais volta a pensar nos cagalhões nem se apercebe que na sua origem é merda e peidos e dejectos do mar - disse Japhy. - Passam o dia inteiro a lavar as mãos com sabonetes cremosos, nutrindo o secreto desejo de os comer na casa de banho. "

Jack Kerouac, " Os Vagabundos de Dharma" ( Trad. de Margarida Vale de Gato). Lisboa: Relógio D'Água, 2000. P-65

domingo, 17 de outubro de 2010

Poema #63

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Dia-a-dia #89

Hoje sonhei com exercícios de geometria descritiva, algo que não me acontecia desde a licenciatura.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Dia-a-dia #88

Há muito que não reparava num casal especial no Metro: passaram por mim na estação do Marquês. Ambos de estrutura média baixa, não tinham mais de vinte anos; ela branca pálida, magra, cabelo escuro esfregona, óculos de massa pretos, pernas canivetes cobertas por meias de renda com desenhos redondos, por baixo de uns shorts, bem shorts de ganga gastos, ténis e blusa preta; ele louro, mas apenas por fora, penteado à Tintin, montado com gel, trazia uma maravilhosa t-shirt do Super-homem. Vinham de mãos dadas, a mão direita dela na esquerda dele, suponho que ela seria dextra e ele canhoto, o promenor é importante apenas porque o lado esquerdo é o do coração. O lado dele era o do coração de certeza. Compartilhavam o mp3, o dele é claro, ele tinha o pipo no ouvido esquerdo e ela no direito. Aparentemente, assim ligados por um fio branco de uma máquina, só eles sabiam da música que ouviam; ela sorriu, depois e olhou-o de um modo brincalhão. Ele ficou radiante. Atrevo-me a especular que ela seria uma soprano de segunda e ele devido ao gel só poderia ser tenor; como diria o meu maestro « já são muitos anos a virar frangos». Entrei no metro e eles continuaram no seu micro-cosmos, agora sentados lado a lado. Não sei bem o que emanavam aqueles seres, mas quando cheguei a casa vim a correr descrevê-los aqui, para não me esquecer. Seria que emanavam o entusiasmo experimental das cambalhotas? Ou estavam unidos apenas pela música?

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Dia-a-dia #87

Entrega do projecto de tese nas Belas adiado para sexta-feira 8 de Out uuuuuufffffffff......tenho mais uns dias para corrigir e só hoje estou a funcionar como deve de ser, depois de um desarranjo intestinal à conta do stress, mas está quase pronto, é caso para dizer GRANDE MERDA!

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Coro Infantil da Universidade de Lisboa

Captados por um turista em frente à Catedral de Estrasburgo, estes miúdos são um espectáculo

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Aprende-se com os gatos #10

Dia-a-dia #86

Entreguei a proposta para a FCT este fim -de-semana, depois, continuei a escrever os relatórios que são para entregar na segunda-feira, depois seguem-se mais 20 páginas para o seminário de orientação, a entregar em Outubro. Sinto-me numa catadupa de escrita.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Eco #9


Dúvida:
Mas porque é que o mundo me está a imitar?

Hipótese:
É o céu que me está a roubar a voz.

Beatriz, 3 anos


segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Leituras #26


“Precipitavam-se pela rua fora, topando tudo no modo peculiar que tinham de início e que, muito tempo depois, se tornou mais triste, perceptivo e inexpressivo. Mas nessa altura dançavam pelas ruas fora, quais fantoches febris, e eu trotava atrás deles, como toda a vida fiz no encalço das pessoas que me interessam, porque as únicas pessoas autênticas, para mim, são as loucas, as que estão loucas de viver, loucas por falar, loucas por serem salvas, desejosas de tudo ao mesmo tempo, as que não bocejam nem dizem nenhum lugar-comum, mas ardem, ardem como fabulosas grinaldas amarelas de fogo-de-artifício a explodir, semelhantes a aranhas, através das estrelas e, no meio, vê-se um clarão azul a estourar e toda a gente exclama: «Aaaah!».
In Jack Kerouac, Pela Estrada Fora. ( Trad. Armanda Rodrigues e Margarida Vale de Gato). Lisboa: Relógio d’Água, 1998. P- 13.

Dia-a-dia #85

As férias terminaram, estou de volta e é difícil aterrar.


quarta-feira, 28 de julho de 2010

Dia-a-dia #84

Só já penso nas férias.

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Leituras #25

A gata Lua já leu e quer mais:

GRIFOS

Os grifos de agora têm ódios anões, disparam contra o musgo por temerem o ricochete do ferro, da pedra, do aço. Os grifos de agora piam e rastejam um voo videirinho, querem mais do que podem, não sabem que o lugar do voo é o ninho de onde nunca saltaram por temerem a queda. Os grifos de agora sofrem a vertigem da honestidade, da liberdade, do assombro, palavras cujo sentido não compreendem por terem sido desde cedo educados nas gravatas apertadas de um falacioso sucesso.
Colam-se aos mestres que antes deles, como eles, foram a Gizeh fotografar a esfinge, aguardando o reconhecimento da confraria que ambicionam. Colam-se com cuspo e ranho, o sangue que lhes corre na veia de poetas miraculosamente integrados, prodigiosamente recebidos, magnificamente emparelhados no futuro de quem não tem passado. E com dentes de leite arreganham o sorriso encomendado dos salões, dos rituais iniciáticos, dos baptismos solenes que um dia farão deles o esquecimento de todos nós.
Os grifos de agora têm um nó na garganta, um nó que aperta a respiração a ponto de lhes sofrear o talento. Por isso imitam com camisas cheias de esperança a flanela dos desgraçados, e pousam bem vestidos falsas dores, e dizem-se admiradores dum céu que não reconheceriam nem com lentes de ver por perto, tão cegos que estão de si próprios na melancolia comezinha, literária e falsária das universidades.
Ninguém duvide de que são cinzentos. Mais pardacento que isto é difícil de imaginar, mesmo a quem por imaginação um dia se perdeu nos labirintos da poesia.
De lágrimas, resta-lhes apenas e tão-só urina, produto resultante da excreção raivosa com que foram criados, da segunda pessoa do plural em que foram educados, ainda usavam fraldas e bebiam das tetas maternas o suco desta moleza com que afrontam o mundo.

Henrique Manuel Bento Fialho – Estranhas Criaturas. Porto: Deriva, 2010

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Adorei este momento


Salve o vergine Maria - G. Rossini - Coro de Câmara da Universidade de Lisboa dirigido por José Robert; piano: João Lucena e Vale.

foi no dia 27/6/2010

domingo, 4 de julho de 2010

sábado, 26 de junho de 2010

Dia-a-dia #82

Sonhei que estava na praia da Nazaré, local onde não vou na realidade desde os meus 7-8 anos de idade. Nisto, a minha irmã arquitecta comenta que toda a região tinha sido alvo de construções desordenadas e aponta para umas rochas, onde vejo edifícios rebatidos sobre elas, como se as rochas se tratassem de superfícies topográficas: a proliferação de construções era de facto impressionante. Depois, saí da praia para ir ter com uma prima que estava a tomar conta da Lua e lá a encontro, no meio de muita gente: quando chego ao pé delas, a Lua salta-lhe dos braços e em vez de vir ter comigo, fica agrofóbica, começa em pânico a caminhar em posição de ataque, com a barriga junto ao chão, e esconde-se debaixo dos carros estacionados junto ao passeio. Acordei a chamar pela Lua, que estava a fixar-me de lado ao meus pés e fiquei descansada. Mas não paro de me lembrar da imagem das construções nas rochas, era impressionante.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Poema #62


António Aragão, extracto do livro " O Elogio da Loura do Ergasmo Nu Atlânticu" (1983) in AAVV "Poemografias". Lisboa: Ulmeiro, 1985

sábado, 19 de junho de 2010

Poema #61

O ECO

O menino pergunta ao eco
onde é que ele se esconde.
Mas o eco só responde: "onde? onde?"

O menino também lhe pede:
"eco, vem passear comigo!"

Mas não sabe se o eco é amigo
ou inimigo.

Pois só lhe ouve dizer:
"Migo!"

Cecília Meireles

quinta-feira, 17 de junho de 2010

no sitemeter #62

Eco
By Referrals > Visit Detail
Visit 9,857
[<<] [>>]
Domain Name (Unknown)
IP Address 187.78.27.# (Unknown Organization)
ISP Unknown ISP
Location
Continent : Unknown
Country : Unknown
Lat/Long : unknown
Language Portuguese (Brazil)
pt-br
Operating System Microsoft WinXP
Browser Firefox
Mozilla/5.0 (Windows; U; Windows NT 5.1; pt-BR; rv:1.9.2.3) Gecko/20100401 Firefox/3.6.3 GTB7.0
Javascript version 1.5
Monitor
Resolution : 1280 x 800
Color Depth : 24 bits
Time of Visit Jun 17 2010 1:52:52 pm
Last Page View Jun 17 2010 1:52:52 pm
Visit Length 0 seconds
Page Views 1
Referring URLhttp://www.google.co...R1WZPB_pt-BR___BR359
Search Enginegoogle.com.br
Search Wordsano da a cabeça de uma jovem mulher federico barocci
Visit Entry Page http://umacasanotemp...9_12_01_archive.html
Visit Exit Page http://umacasanotemp...9_12_01_archive.html
Out Click
Time Zone UTC-4:00
Visitor's Time Jun 17 2010 10:52:52 am
Visit Number 9,857
Alguém chegou a esta casa no tempo procurando ano na cabeça de uma jovem mulher Federico Barocci e encontrou eco

terça-feira, 15 de junho de 2010

Dia-a-dia #81

Não sabia, Belo em grego diz-se Tokalon. Em português da minha geração Tokalon era uma linha de cosméticos dos anos 60/70, havia cremes depilatórios com este nome; logo se alguém diz esta palavra não posso levar a sério, nunca irei pensar em erudição, porque começo a ver um reclame antigo a preto e branco, lembro-me do cheiro do creme depilatório e dá-me vontade de rir.


sábado, 12 de junho de 2010

Eco sitemeter #3

Alguém chegou a esta casa no tempo à procura eco textos e encontrou A casa escreve-me descrevendo , por isso, achei que deveria escrever um eco texto:

ECO TEXTO

A casa escreve descrevendo-me: as paredes amarelecidas pelo tempo foram pintadas de branco, permanecendo as amarelas camadas de memória invisíveis; cada paixão em cada camada de tinta nestas paredes, sei que elas existem e o branco tapa-as reflectindo a presente luz natural. A minha casa continua a ser uma conquista no tempo, mas os seus espaços foram invadidos por outras circunstâncias; o tempo continua a consumir as suas paredes e vai-me consumindo como Cronos devorou seus próprios filhos. O restauro foi eficaz, não apagou tudo e o esquecimento foi necessário em matéria de sobrevivência; agora, as paredes brancas criam ressonâncias, dando origem a um eco texto. Ocupo um pequeno território nesta casa e habito bibliotecas grande parte dos meus dias. As paredes da casa no tempo têm os mesmos rastros, preenchidos com os meus artefactos antigos, são as janelas do passado, mas entretanto foram abertas novas janelas; o chão de madeira, os frisos geométricos junto ao tecto continuam e a casa tornou-se um porto de passagem nocturno; aqui regresso para descansar sem grande sossego. Os meus papéis e livros amarelos estão sempre presentes e também há novos livros novos papeis, que deixam de ser brancos; e não apenas aqui à minha volta, saem à rua, vão e voltam comigo. As chaves de casa, antes de sair procuro-as sempre, ou estão na cozinha, ou estão na sala, ou no quarto, ou na marquise, é sempre a mesma coisa, tenho de as encontrar para poder sair e voltar à casa. As chaves obrigam-me a percorrer todo o espaço antes de sair. Nunca sei onde estão os óculos, se não os deixo no nariz ou ao lado do computador, repete-se o ritual da ronda à casa, à casa de banho, à cozinha, ao quarto, à sala. Não me perco nisto. A casa esconde-me as coisas, as canetas, os lápis, os cadernos, os livros, os sapatos, mas não se apodera de mim de forma alguma, porque o tempo decorre para além do espaço das suas janelas.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

No sitemeter #61

Eco
By Referrals > Visit Detail
Visit 9,756
[<<] [>>]
Domain Name veloxzone.com.br ? (Brazil)
IP Address 201.58.38.# (Telemar Norte Leste S.A.)
ISP Telemar Norte Leste S.A.
Location
Continent : South America
Country : Brazil (Facts)
State/Region : Minas Gerais
City : Contagem
Lat/Long : -19.9167, -44.1 (Map)
Distance : 4,666 miles
Language Portuguese (Brazil)
pt-br
Operating System Microsoft WinNT
Browser Internet Explorer 8.0
Mozilla/4.0 (compatible; MSIE 8.0; Windows NT 6.0; Trident/4.0; SLCC1; .NET CLR 2.0.50727; Media Center PC 5.0; .NET CLR 3.5.30729; .NET CLR 3.0.30729; InfoPath.2)
Javascript version 1.3
Monitor
Resolution : 1360 x 768
Color Depth : 32 bits
Time of Visit Jun 10 2010 1:19:02 pm
Last Page View Jun 10 2010 1:19:02 pm
Visit Length 0 seconds
Page Views 1
Referring URLhttp://www.google.co...A48I5se1RqGooxL2fbXg
Search Enginegoogle.com.br
Search Wordsilustração do poema eco
Visit Entry Page http://umacasanotemp...9_11_01_archive.html
Visit Exit Page http://umacasanotemp...9_11_01_archive.html
Out Click
Time Zone UTC-4:00
Visitor's Time Jun 10 2010 10:19:02 am
Visit Number 9,756
Alguém chegou a esta casa no tempo procurando ilustração do poema eco e encontrou eco

Eco sitemeter #2

Estava agora a ver que vieram cá parar à procura de porque meu cão reconhece meu assobio e encontraram outra coisa ; neste título enganei-me e escrevi no fio de Ariadne, já nem sei porquê, depois corrigi, mas foram parar a um conto da planície. Não era o do Eco, não escrevi mais nenhum para além desses dois. Também aqui vieram parar à procura de texto dialogado sobre planície encantada e encontraram um texto insone que era sobre o desejo de conhecer Berlim. Colocam-se palavras na máquina que procura textos com essas palavras. Mas são as pessoas que colocam os dados na máquina e depois vão parar a alguma coisa que se calhar interpretam. Ando a tentar entender isto ou vou tentar interpretar, pode ser que encontre o fio de Ariadne.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Poema #60


Mário Cesariny, " O Homem Mãi" in E.M. de Melo e Castro, "A Proposição 2.01". Lisboa: Editora Ulisseia, 1965.


quarta-feira, 9 de junho de 2010

CoroInfantilUniversidadeLisboa.wmv

Eco sitemeter #1

Eco sitemeter para ser arte contemporânea, seria sitemeter apenas, porque já não existem títulos portugueses actualmente. Acho que a única língua universal é muda, não é o inglês, muito menos a gestual que está codificada; estava a falar de imagens, onde realizei a minha (de)formação. Daí estar aqui a esforçar-me em matéria de português, a fazer barulho na língua com que nasci; tenho má formação em português, o espanhol meteu-se a meio, odiei o francês imposto na adolescência, depois o inglês pareceu-me muito fácil ao pé disto, mas também não aprofundei o assunto; nesta altura já me tinha apercebido que a gestual também estava codificada, o que nem sempre é agradável. As coisas agradam quando surpreendem no bom sentido, de resto são padrões ou impostos; a maior parte das vezes são gato por lebre, mas prefiro pensar ao contrário, lebre por gato porque os gatos são seres superiores. As lebres estão sempre a correr, ninguém as apanha. Se vou na rua e vejo um gato, paro logo para o cumprimentar, o mesmo não posso dizer em relação às pessoas que encontro na rua, a maior parte das vezes não me apetece cumprimentar, muito menos parar. Os gatos e os seus miados fazem-me parar por uma questão de respeito, algumas pessoas também, mas são poucas.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Leituras #25

TEXTO PARA A GÉNESE DO EROS FRENÉTICO

Dantes eu era um escritor tão ingénuo que quando queria dizer porta escrevia a palavra porta. Felizmente com o decorrer do tempo tornei-me um escritor avisado e hoje quando quero dizer porta escrevo o gato mia.
Essa é a génese do eros frenético.
O que eu quero dizer é que o equívoco foi sempre o contrário da polifonia, isto é, que o prazer é uma perversão, uma deturpação do sofrimento. Porque eu nunca digo o que quero. Sou uma outra espécie de licencioso: como não digo o que quero, digo o que não quero.
Essa é a génese do eros frenético.
Alguns críticos muito ilustrados ainda hoje chamam a isso inspiração. Estão ainda muito ligados aos problemas respiratórios. Para mim esse problema deixou de ter importância porque o meu sistema respiratório é automático (não é verdade que só fazemos bem aquilo que fazemos automaticamente?). Esse problema da respiração – inspiração/expiração – para mim está definitivamente resolvido: sou um mecanismo avisado e por isso conheço a força da recusa.
Essa é a génese do eros frenético.
Os meus colegas meus contemporâneos entram em estado de agonia por estarem constantemente com a cabeça para baixo construindo os seus pedestais e como desde logo se colocam em cima de eles custa imenso continuar o trabalho. Alguns acrescentam-lhes elaborados ornamentos o que complica a posição e a expositura. E depois andamos todos a tropeçar nesses moldes que ficam pelo caminho. Eu principalmente. Porque não me resigno. Estou sempre a andar. Tenho essa erótica. Bato à porta dos amigos e pergunto: diga-me por favor se está ai o meu ombro esquecido. Ao que eles: esta pequena está cada vez menos espirituosa. Isso delicia-me. Tenho essa frenesia. Sento-me à secretária e trabalho na detergência morosa, minha obra-prima.
Sou como o/a filósof o/a celerad o/a.
Essa é a génese do eros frenético.
Mas isso foi há milhões de palavras. Agora produzo pensamento em palavras por segundo.
O que acontece entre nós é o não-acontecimento até à absurdidade. Às vezes penso que é fascinante viver num ambiente assim inconcebível. Mas na verdade gostaria de poder fazer qualquer coisa de radical uma detergência profunda ontológica a isto.
Porque do que todos gostam ainda é do poeta que diz «a tua boca é um sorvete de morango» ou «dos lupanares saem os devassos».
Que fazer perante as flâmulas do optimismo pueril desses devaneios de satírico e petroleiro (sic)? De facto a filosofia não nos descortina bons augúrios na vida.
Resta-nos apenas o raciocínio calmo e supicaz.
Essa é a génese do eros frenético.
A zombaria é evidente mas exprime a verdade. Sou apologista das sátiras dicacíssimas.
Mas nunca exagero. O máximo que eu digo é: não façam isso à vaca.
Sou portuguesa e o meu estilo é barroco. O barroco é um estilo ornamental oriundo no desgaste (é daí que vem a minha tese da detergência) ou na atribulada escrituração da ostra. Tanto é o estilo objecto para a escrita e pináculo da coluna vertebral uma cadeia de causalidades concatenadas produto de uma natureza transbordante. É por isso que o português se exprime na oportunidade do super-mercado.
Ainda há dias ouvi dizer a alguém: o que me vale é as coisas que eu não sei. E assim dizendo encolhia os apotécios. Não não basta que as coisas sejam verdadeiras também é preciso que sejam verídicas. Já Apolónio o Filomuso autor da Balança Intelectual criticava o Fulano Indiferente.
Mas eu não posso preocupar-me com tais trivia. Quando se atinge o nível da gargalhada reprimida começa a grande sabedoria.
Essa é a génese do eros frenético.

Ana Hatherly, A Maldade Semântica (1966-68) in “ Um Calculador de Improbabilidades”. Lisboa: Quimera, 2001. P-176, 177.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Dia-a-dia #80
















A Lua tem uma rica vida, também quero!

Leituras #24

a poesia começa onde o ar acaba. é qualquer coisa para depois da própria respiração. como o respirar é muito uma maneira nossa e (pré)-vista da condição humana a que somos condenados, a poesia surge a partir desta condenação. mais justo ainda, a partir de toda a condenação. deste modo, só nos resta a queda no irremediável: a vertigem sem apelo, o jogo sem olhos, a ausência impecável de nós. daí o repúdio ao lirismo e duma semântica convencionada à escala dos pessoais (des)gostos mais ou menos audíveis. daí a ambiguidade cómico-dramática em que nos assistimos. nenhuma ordenação é possível. nenhum suspiro pode já (co)mover. em vez de celebrar normas e preceitos que actuam na mediocridade da sujeição, procuramos, mais exactamente, descobrir o belíssimo caos de nós próprios. antes o indefinido que ser reduzido ao absoluto infrutescente da indefinição. antes o encontro com o desordenado, num conflito sem génese nem juízo final, para atingir o risco de estarmos livres mesmo no discurso do desentendimento. um poema deve ser usado como um instrumento feiticista e consome-se em si numa espécie de ludus encantatório. por isso se dão nomes à matéria: inventa-se e destrói-se para que ela viva a sua tremenda metamorfose, a poesia deve ser tomada por todos os sentidos: quando verbal não deixará também de ser contra o verbo. queremos uma poesia que não explique conteúdos mas forneça estados: donde uma linguagem negra, ausência de estilo e o ataque à fraude da limitação: poesia-contra, poesia-recusa-que-acusa, poesia contra o instituído, o legal, o ordenado e convencional. poesia liberdade por estarmos demasiadamente perdidos no cúmulo da condenação.
António Aragão, texto publicado no catálogo da exposição VISOPOEMAS (1965), na Galeria Divulgação em Lisboa.

domingo, 6 de junho de 2010

No sitemeter #60

Eco
By Referrals > Visit Detail
Visit 9,675
[<<] [>>]
Domain Name (Unknown)
IP Address 189.104.53.# (Unknown Organization)
ISP Unknown ISP
Location
Continent : Unknown
Country : Unknown
Lat/Long : unknown
Language Portuguese (Brazil)
pt-br
Operating System Macintosh WinXP
Browser Safari 1.3
Mozilla/5.0 (Windows; U; Windows NT 5.1; en-US) AppleWebKit/533.4 (KHTML, like Gecko) Chrome/5.0.375.55 Safari/533.4
Javascript version 1.5
Monitor
Resolution : 1440 x 900
Color Depth : 32 bits
Time of Visit Jun 6 2010 12:02:27 am
Last Page View Jun 6 2010 12:02:27 am
Visit Length 0 seconds
Page Views 1
Referring URLhttp://www.google.co...m=18&ved=0CGEQrgQwEQ
Search Enginegoogle.com.br
Search Wordscasadas
Visit Entry Page http://umacasanotemp...asa-das-musas-8.html
Visit Exit Page http://umacasanotemp...asa-das-musas-8.html
Out Click
Time Zone UTC-4:00
Visitor's Time Jun 5 2010 9:02:27 pm
Visit Number 9,675
Alguém veio parar a esta casa no tempo procurando casadas e encontrou esta musa.