O que procuro em ti, eco ou planície, que não me respondes? Porque devolves apenas a minha voz?

domingo, 8 de novembro de 2009

Poema #43

RUA DA ESTAÇÃO

Havia um terraço com plantas
onde fazia calor durante a noite.
Podiam ouvir-se os comboios
e a sirene rival da moagem, o trovão
era a voz de um deus contrariado
pela nossa inocência. Punham-se
as ameixas a secar ao sol,
penduravam-se uvas por cima
do escano. E no princípio do Outono
tiravam-se as colchas das arcas.
E chovia muito e cheirava a cânfora.

Rui Pires Cabral
Praças e Quintais
(Averno, 2003)

sugerido pelo moço

2 comentários:

  1. Uma 'imagem' sugestiva do Outono e da nostalgia que habitualmente invoca.

    ResponderEliminar
  2. Vítor, obrigada pela sua visita e comentário.

    ResponderEliminar