Eco

O que procuro em ti, eco ou planície, que não me respondes? Porque devolves apenas a minha voz?

domingo, 23 de março de 2014

Dia-a-Dia #208


 
O 2ºFestival Mal Dito está de parabéns: estive em Coimbra dia 21 e 22, os eventos foram belíssimos e bem organizados. Tudo começou no ano passado com o pequeno grupo de amigos que se juntou em torno da poesia e organizaram o Festival em tempo record, sem apoios institucionais. Este ano manteve-se o espírito, onde a partilha é central e mais uma vez houve público em todos os eventos a que assisti: lançamentos de livros, apresentações e leituras em vários sítios da cidade. Destaco ontem o salão Brasil cheio para o debate com o mote " A música, antes de qualquer coisa", que juntou Adolfo Luxúria Canibal , Bruno Béu e Francisco Amaral em torno da relação entre poesia e música,  moderado pelo professor Osvaldo Silvestre. Um dos mais  belos momento do festival foi dia 21, no café Sta Cruz à noite: Isaque Ferreira não leu apenas, ele respirou, viveu e encarnou POESIA. Momento inesquecível foi sem dúvida também dia 21, na Livraria Miguel de Carvalho, o lançamento de "Ranço" de Jorge Aguiar Oliveira, publicado pela Companhia das Ilhas: o autor referiu que a sua poesia é autobiográfica e não tem rodriguinhos. E leu o poema "O inútil pirilau de Vanetti Greta" em homenagem a um travesti que trabalhou na associação Abraço, onde o conheceu pessoalmente. O poema foi escrito após saber da sua morte com SIDA. A leitura do autor cortou-me a respiração ou deixou-me sem palavras.

Sem comentários:

Enviar um comentário