Eco

O que procuro em ti, eco ou planície, que não me respondes? Porque devolves apenas a minha voz?

segunda-feira, 3 de março de 2014

Dia-a-dia #205


A “natureza-morta” é um género que surgiu com a invenção da pintura a óleo no século XV. Na idade média não aparecia ainda como género autónomo, apesar de nos manuscritos medievais góticos, surgirem representações de “naturezas-mortas”. O conceito “natureza-morta” existe nas línguas latinas, em quanto nas línguas germânicas e anglo-saxónica, “still-life” se relaciona com vida: a origem de “still” é “stend” que significa estar parado. Em Espanha foi também utilizado o termo “Bodegó” nas representações de alimentos, que vem do espanhol “bodegon”, que significa taberna. “Cesto de Frutas” (1595-96) de Caravaggio foi a primeira pintura autónoma do género “natureza-morta”: trata-se de um “tromp’oil” representando um cesto de frutas, como as que surgiram na época, onde esta técnica é utilizada para criar uma transição entre o espaço do quadro e o observador. Durante o barroco, este género representou objectos preciosos, loiças, frutas descascadas, com o instantâneo, onde uma situação ganha uma dimensão infinita através da pintura. Na Europa do Norte do século XVII, o género desenvolveu-se representando a abundância, apesar de no geral ser visto como menor pelas academias oficiais: surgiram as “naturezas com mesa posta”, representações associadas à situação social da classe média, que estava ligada ao comércio e era mais rica que nos países latinos. Muitas “naturezas-mortas” tinham um sentido moral acentuado, usando as representações dos frutos e flores em termos simbólicos, e os insectos apelando à efemeridade humana. A representação de casulos, lagartas e borboletas simbolizavam o ciclo de vida e de morte. Tema também frequente nas “naturezas-mortas” são as “Vanitas”, que se referem à vaidade, tratando-se de representações onde contrasta o corporal e o espiritual, representações com a presença de uma caveira e outros objectos presentes nas “naturezas-mortas”.

Sem comentários:

Enviar um comentário